De Pá em riste!... Em todas as direcções...

.posts recentes

. Aqui estou, preguiçosa de...

. caso Casa Pia e afins...

. Portugal: Manta de Retalh...

. Lentidão

. ...

. A Padeira tirou umas féri...

. Saramago

. LISBOA

. ENCRUZILHADA

. JORNAL NACIONAL

.arquivos

. Outubro 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Segunda-feira, 18 de Julho de 2005

BELEZA...

Num mundo selva de pedra onde o terrorismo alastra irreversivelmente, em qualquer lugar, seja praia, cinema, centro comercial, transporte público...
Num mundo tiranizado pelo Homem, com secas e faltas de água dramáticas e incêndios que devastam tecendo morte a tantos soldados da Paz...
Num mundo de angústia latente, deixo hoje aqui, para quem queira repousar, um nada de frescura...

Dia 15, 6ª feira, hora de ponta, num arrastão de carros, passo a passo, num sinal da Av. de Berna, vejo deambular por entre eles, alegremente, uma jovem mulher, de sorriso azul, esbelta e esguia...«Leanor pela verdura»...
Atrás dela seguia uma miúda de cerca de doze anos, igualmente bonita. Pareciam as duas saídas de um quadro de Van Gogh, tal era a a graça, a frescura... as saias coloridas e leves esvoaçando ao vento.
A mais velha trazia na mão uma esponja para lavar os vidros. Ao aproximar-se do meu carro, fiz-lhe imediatamenbte sinal, que não! Até porque não havia tempo... e os vidros ficavam pior.
Ela... debitou-me um sorriso ainda mais largo e branco...e plantou-me no vidro um 'coração' feito de espuma.
E foi-se embora... quase brincado, atrevida, distribuindo sorrisos, e ouvindo outros 'nãos'. Nehuma janela se abriu.
Fiquei pregada ao retrovisor, arrependida, à espera que ela voltasse, queria dar-lhe qualquer coisa...
Quem era, não sei...Sei que pedia...Era uma mulher imigrante, como tantas por aí, possivelmente manipulada pela negras máfias...
O coração... permanece no meu vidro; porque não chove, porque não há tempo para lavar o carro, porque... simplesmente faz-me mais feliz.

Nesse dia, àquela hora, aquela mulher merecia todas as moedas disponíveis. Porque com a sua graça desenvolta... coloriu Lisboa. Porque com a sua Beleza iluminou um pouco mais o mundo.
...«chove (ia) nela graça tanta, que dá (va) graça à formusura»... Ia formosa e 'bem' segura!...







publicado por padeiradealjubarrota às 12:31
link do post | comentar | favorito
|
9 comentários:
De lhpolcia a 3 de Agosto de 2005 às 01:35
Deixo aqui o meu pedido de desculpas ao comentador Viking pela minha interpretação errada do seu comentário.
De lhpolicia a 28 de Julho de 2005 às 22:00
O Viking devia trabalhar nas obras e os ucranianos tiraram-lhe o emprego, coitado.
De azhar a 28 de Julho de 2005 às 13:12
Uma história bonita, mas que não retrata a realidade dessas lindas jovens que vêm para cá... Provavelmente são romenas e não estão no nosso país para trabalhar, mas sim para pedir. Pior ainda: muitos obrigam os filhos a serem pedintes, que vagueiam pela cidade SOZINHOS! Para quem anda de transportes públicos, como eu, sabe que esta realidade não tem nada de bonito ou de colorido...Como escreveu o js, para pedintes já chegam os nossos! Todavia, também é verdade que muitos imigrantes aceitam empregos que são rejeitados pelos portugueses...
De mariaverissimo a 26 de Julho de 2005 às 12:15
procurei, gostei, concordei ou não.
seja padeira de aljubarrota, maria da fonte , inês negra, deuladeu martins, ou maria do monte mulheres que controem poesia com as armas que têm na mão.
vem faer uma visita...
mariadomonte blogspot pt
De viking a 20 de Julho de 2005 às 16:50
Deveras linda essa história,mas o que não é nada lindo é a quantidade de desempregados nacionais que não querem trabalhar, sim porque se os estrangeiros trabalham é porque há trabalho não!
De EDUARDO a 20 de Julho de 2005 às 12:25
Essa do "arrastão de carros" é um achado.
De francisco a 20 de Julho de 2005 às 01:31
Oi, olha curti bue o teu blog ta mt fx a serio e já agora vou te dar a noticia de k abriu uma nova template shop á uns mesitos e lá podes encontrar varios templates únicos feitos por nós, exclusivos para toda a comunidade blogueira tb podes encomendar um template que tenha mais a ver ctg ou mm um blinkie, um gif, montes de coisas para decorar o teu blog ok??ixto td podes ver em http://templatesbygt.blogs.sapo.pt .Fika bem... PS: se puderes e se kizeres ajudar a ekipe da template podias fazer alguma publicidade a nossa template shop para que tds tenham o conhecimento que há sitios mt bons ond podem encontrar uma coisinha ou outra para ajudar a mimar o seu blog ok?? contamos cm a tua ajuda obrigada.
De js a 18 de Julho de 2005 às 15:43
... o gesto dela pode ter sido simpático... mas se porventura não me insurjo contra as pessoas que entram em Portugal para trabalhar... e note-se que algumas dessas pessoas andam milhares de Kilometros para conseguir trabalhar... enquanto por cá as pessoas preferem ficar a receber fundos de desmprego do que deslocar-se 10Km para um emprego... no que se trata de pessoas que não vieram para trabalhar deveriam retornar aos paises de origem...para pedintes já chegam os nossos...
FORÇ'AÍ!
js de http://politicatsf.blogs.sapo.pt
De Calvin a 18 de Julho de 2005 às 12:51
Essa história faz-me lembrar uma que aconteceu comigo já há alguns anos, quando saía ali do metro do Campo Pequeno. Sentado nas escadas, alheio, um jovem com trissomia 21 tocava violino. Tocava miseravelmente, de tal maneira que só pensei em sair dali o mais depressa possível (odeio ouvir um violino mal tocado). Já no topo das escadas, começo a reconhecer a música que ele estava a tocar. "Que raio... Isto é um tango..." Não só era mesmo um tango, como era um dos tangos que gosto mais do Astor Piazzolla: o Adiós Nonino. Estava mal tocado, é certo. Mas achei que nunca mais ia ouvir aquela música numa estação de Metro. Voltei para trás e dei-lhe muitas moedas. O rapaz tinha um ar contente. :o)

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds