De Pá em riste!... Em todas as direcções...

.posts recentes

. Aqui estou, preguiçosa de...

. caso Casa Pia e afins...

. Portugal: Manta de Retalh...

. Lentidão

. ...

. A Padeira tirou umas féri...

. Saramago

. LISBOA

. ENCRUZILHADA

. JORNAL NACIONAL

.arquivos

. Outubro 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Segunda-feira, 28 de Agosto de 2006

Blogosfera


Alguém aqui comentou há tempos, que, os blogs, eram um «passatempo» da «terceira idade».
Eventualmente, também. Mas não só. Nunca. Há por aí muito jovem, e muita arte. E muita «influência» através das palavras, e ainda bem. Paira também uma certa censura, é certo, mas ainda se vão debitando ideias que frutificam. Já o pude comprovar.
Como ia dizendo, há por aí muita gente bem ocupada, políticos, jornalistas etc., que, magnetizados, rendidos à net, derramam nos seus blogs diversos textos diáriamente. A cada qual o seu gosto.
Para mim, um blog, deve ter textos «incisivos» e «não muito extensos». Aliás, como qualquer crónica de um jornal, para que não haja dispersão e se comece a ler em diagonal.
Quanto aos comentários, porque não deixá-los aqui e acolá?`É importante o intercâmbio, desde que o seja de verdade. Não para se comprar ou ficar atulhado em comentários.
E porque não, às vezes, deixar um comentário «inesperado» num blog singelo? Umas palavras, um acrescento, um nada que é muito?
É assim que entendo a blogosfera, longe do «Pedestal».
E depois, nunca nos falta tempo. Quando queremos. Há sempre um tempo infinito para cumprir desejos. Os nossos.
publicado por padeiradealjubarrota às 03:49
link do post | comentar | ver comentários (28) | favorito
|
Sábado, 19 de Agosto de 2006

Simplesmente Portugal



Em pleno verão: - a GNR sobe-lhe o sangue à cabeça e anda doida por mostrar trabalho...e ganhar mais uns patacos! Aparece em tudo quanto é sítio!... Menos onde devia estar. A agressividade e a 'prepotência' fazem lembrar os tempos da outra senhora.
Inrropem pelos espaços de diversão, indiscrminadamente, aos sacões a quem se encontra lá dentro, sem qualquer respeito e espantando os turistas que são o nosso ganha pão. Nunca se lembram de fazer prevenção. O que importa é estar atrás de uma árvore à espera da multa, ou então irromper quase à pedrada.
publicado por padeiradealjubarrota às 16:24
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Agosto de 2006

O Mundo guerreia-se...

...E guerrear-se-à continuamente. Faz parte da natureza humana. O «sentido de posse», a ganância, o egoísmo e a «inveja» - envenenam o homem. Esmagam-lhe o coração. Homem que, não quer ver, não quer pura e simplesmente enxergar a verdade da sua insignificância. Hoje poderá ser rei - amanhã inexorávelmente «pó».
Vem isto a propósito das guerras, das lutas intermináveis do que é «Meu»... ou «Teu». Passa-se em todo o mundo.
Começou assim, nos primórdios, com Caim e Abel. Nada a fazer.
Hoje, numa pequena praia inundada de verão e de um pacífico azul, quatro crianças (irmãos) bulhavam entre si. Tinham entre os 4 e os 7 anos. Uma delas, um rapazinho dos seus seis anos, estava positivamente furioso com a irmã que queria a sua pá. Nada de transcendente entre miúdos. Mas a «raiva» e a «imposição» impressionavam. Gritava de dedo no ar e pá em punho: - it´s Mine!... It´s Mine.. Do you hear me...?
Este «Meu» é o gerador de todas as contendas: Meu!...Teu!...
É aqui que tudo começa, levando tantas vezes ao ódio que pude observar repentinamente nos olhos daquele pequeno inglês.
É assim que a guerra se inflama. Irmão contra irmão. E vai crescendo dentro de nós. Às vezes, à conta de um pobre balde de plástico, ou, de uma pá, apenas, num pedaço de areal súbitamente transformado em «Deserto» de vida.
publicado por padeiradealjubarrota às 22:12
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds