De Pá em riste!... Em todas as direcções...

.posts recentes

. Aqui estou, preguiçosa de...

. caso Casa Pia e afins...

. Portugal: Manta de Retalh...

. Lentidão

. ...

. A Padeira tirou umas féri...

. Saramago

. LISBOA

. ENCRUZILHADA

. JORNAL NACIONAL

.arquivos

. Outubro 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Segunda-feira, 20 de Junho de 2005

Já não há camisola

Sim, já ninguém, ou muito poucos, têem amor à camisola. Não me refiro ao adeptos dos clubes desportivos, que esses, mudam de tudo, menos de club! É até à morte! Nunca vi fidelidade tamanha. Mas voltando ao amor à camisola, sente-se nas mais ínfimas coisas que deixou de existir.No caso dos professores lá terão o seu direito a reinvindicar, mas prejudicar os alunos, «retira-lhes responsabilidade», abnegação, sim, porque o verdadeiro ensino exige dar-se inteiramente; não se admite «chantagens» que joguem com o destino dos alunos numa época crítica.
Parece que as coisas correram razoalvelmente, segundo as notícias da hora do almoço.A juventude até vinha satisfeita; satisfeita demais, a dizer que tinha sido facílimo... Que medo! Se já sabem tão pouco, imaginem o que será para eles facílimo...(!?) sem uma Educação escorreita o país continuará estagnado, atrofiado, à mercê dos grandes potentados... e do perigo amarelo (chinocas) que vai chegar em força. Ai isso vai...
publicado por padeiradealjubarrota às 14:42
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De azhar a 23 de Junho de 2005 às 15:03
Minha cara amiga, não me venha falar de falta de amor à camisola quando os professores, que asseguram a educação do(s) seu(s) filho(s), são tratados como lixo. O seu artigo revela total ignorância e desprezo por estes profissionais, que têm de aturar os filhos dos outros (incluindo o(s) seu(s)), que são muitas vezes vítimas da falta de educação dos mesmos (sim, porque os paizinhos "falam, falam, falam, falam mas eu não os vejo a fazer nada..."), que hoje são colocados em Lisboa, amanhã em Bragança e no ano seguinte não são colocados, que têm de andar literalmente com a casa às costas e que, ainda por cima, não se podem manifestar oportunamente! Como futura professora (ou desempregada) fiquei indignada com este artigo! Minha cara, se tivesse de trabalhar nas condições mencionadas, se fosse, como nós, uma autêntica marionete nas mãos dos nossos governantes seria capaz de compreender a situação e o desespero de pessoas que só querem ser tratadas com dignidade! Ou também acha que a Educação está como está por culpa dos professores? No fundo, com esta greve, os docentes estão a tentar salvaguardar o futuro dos estudantes, que, graças aos nossos queridos governantes, é cada vez mais incerto. Não é pelo facto de os alunos fazerem os exames hoje ou daqui por um mês que o seu "brilhante" futuro vai ser destruído! Quem é capaz de fazer um exame hoje, também é capaz de o fazer amanhã!
De J.Serra a 20 de Junho de 2005 às 16:42
...prejudicar os alunos, é o que têm feito os sucessivos e mal formados (para não dizer outra coisa) governantes, ao longo de 30 anos.

É típico do “Zé Portuga” “puxar a brasa á sua sardinha” e em momentos cruciais da vida pública portuguesa, virar o feitiço contra o feiticeiro, alinhando, assim, nas mais vis e torpes mentiras impingidas pelos verdadeiros responsáveis pelos atentados contra a inteligência de um “Nobre Povo e Nação valente”.

É fácil transpirar democracia por todos os poros quando são os nossos direitos que estão em causa. Difícil é admitir, sem recurso a subterfúgios, os legítimos (neste caso, gritantes) direitos de quem ao ter uma profissão ingratamente reconhecida como imprescindível em momentos de crise como agora, é, pela vida fora, votado ao nomadismo e privado dos mais elementares direitos, agora tão cegamente reivindicados, pelos mentirosos governantes, com o fim de limpar com a honra dos professores a honra que eles próprios nunca tiveram.

É por isso que continuam a existir maiorias. Mas também num rebanho, onde a maioria são ovelhas, é o pastor quem as ordenha!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds