De Pá em riste!... Em todas as direcções...

.posts recentes

. Aqui estou, preguiçosa de...

. caso Casa Pia e afins...

. Portugal: Manta de Retalh...

. Lentidão

. ...

. A Padeira tirou umas féri...

. Saramago

. LISBOA

. ENCRUZILHADA

. JORNAL NACIONAL

.arquivos

. Outubro 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

Sexta-feira, 2 de Fevereiro de 2007

Constatação

Estamos quase a uma semana do referendo ao aborto. E não vale a pena  entrar aqui em polémicas e, muito menos, papaguear o que já foi dito e «redito» em tudo quanto é sítio.

Deixo apenas uma pergunta no ar, que deveras me confunde. Quando um casal deseja um filho, e a mulher vai saber o resultado da análise, que, por sinal, até deu positivo, como é que esta dá noticia ao marido? 

 - Estou à espera de bebé!...Vamos ser pais!...

 - Ou... tenho  um feto (ou embrião)... na barriga!...

 

E com esta, dou por encerrada a minha participação na encrencada e sensível polémica.

 

.

publicado por padeiradealjubarrota às 18:47
link do post | comentar | favorito
|
21 comentários:
De JoanaTorrado a 3 de Fevereiro de 2007 às 12:58
Olá :)

Parabéns pelo Blog. Merece estar em destaque (aqui: http://blogs.sapo.pt/destaques.bml).

Boa continuação.
De Jorge G a 3 de Fevereiro de 2007 às 15:49
Minha cara Padeirinha:

Isso é um jogo semântico! Naturalmente que num casal que pretende um filho, a gravidez é encarada como a realização de um sonho e é naturalíssimo que a mulher se refira ao embrião, dizendo: "Vamos ter um filho!" Mas isso não faz do embrião um filho!

Mas o problema põe-se ao nível das gravidezes indesejadas!
- Nenhum método contraceptivo é 100% eficaz.
Daí que diariamente venham ao mundo crianças que depois são abandonadas ou indesejadas no dia-a-dia pelos pais.
E o SIM vai descriminalizar o abrto, não vai fazer nenhum apelo a que se faça.
vai criar condições para que os abortos, que sem dúvida se continuarão a fazer, o sejam em local próprio ecom condições sanitárias adequadas.
E mais: quem estiver absolutamente contra a ideia de realizar uma IVG, pode sempre continuar a optar por não a realizar.

Um abraço.
De commonsense a 3 de Fevereiro de 2007 às 17:21
Não é uma jogo semântico, é um modo de ser
De Savonarola a 4 de Fevereiro de 2007 às 13:37
Cara Padeira de Aljubarrota,
Venho só dizer-te que O Anarquista mudou de endereço para: http://o-anarquista.blogspot.com
Um abraço
Savonarola
De Marinela a 4 de Fevereiro de 2007 às 14:07
Transcrevo integralmente o comentario de Jorge G.
Deixo-te um beijinho e faço votos para que nunca tsejas confrontada com o problema de um filho dificiente e tenha sido indesejado indesejado. Feliz domingo
De carlocos a 5 de Fevereiro de 2007 às 01:42
Pois, é consultar a actual lei antes de fazer comentários.
A resposta esta lá.
De padeiradealjubarrota a 4 de Fevereiro de 2007 às 14:51
Neste assunto, apenas interrogo: - Como sabem se não fui confrontada com um desses muitos problemas??...
E depois, para além da Prevenção, há a pirula do dia seguinte, que se pode comprar na farmácia já «sem» receita médica! Há pois a total liberdade de escolha. Sem legalização mas com a descriminalização da mulher. Dizem-me, essa pirula pode fazer mal...E o aborto??...que acham?
Quanto ao aborto ilegal, continuará a existir, infelizmente. Quanto às «mães-cadelas», que abandonam os filhos ou os deitam nos caixotes de lixo, continuarão a fazê-lo...sem quaisquer escrúpulos.
Prometera a mim própria, que não argumentaria sobre este assunto, tão sensível, mas sinto que devo, para alguns que aqui venham...
Afinal, desde que haja respeito pelas convicções alheias, porque não gritar «bem alto» o que defendemos? Chega de corbadias...
De NaCasaAbandonada a 4 de Fevereiro de 2007 às 17:16
O aborto é como sabemos um polémico tema social, especialmente aquando a aproximação de um referendo. É normalíssimo formalizações por vezes erróneas acerca da interrupção voluntária da gravidez, e uma delas é caracterizá-lo como um acto severo e desumano, mesmo quando há motivos solenes para tal atitude. (Ou será que ter um comportamento indesejado face ao embrião, feto ou bebé é humano?).O aborto existirá sempre, independentemente de ser aprovado ou não, portanto, eu vejo o referendo, não como orientado somente para o aborto em si, mas como uma forma de promover menos descriminação e assim dar à mulher a opção.Afinal de contas quem é a mãe, o povo, a soberania ou o particular da mãe? Pois é ela quem vai criar vínculos afectivos com ele, já quando este estiver no seu ventre, mas também seria ela que o maltrataria, muito capaz de o colocar no caixote do lixo ou até servir aos porcos como alimentação. Há que ter consciência de que o aborto é uma forma de baxar tais índices de criminalidade. Nestas alturas a maioria cultiva a maior da filantropia do ser ser, utilizando argumentos contra ao aborto, dizem que o homem não tem o poder de impor a vida, contudo há vidas vivas em África ou noutra parte qualquer do planeta, vidas degradantes, dessas já nínguem fala, pois tornara-se banal. Mas o aborto, o casamento entre homossexuais, são temas que afectam o retrógrado Portugal, de uma forma dilacerante, como se tais projectos sociais fossem rídiculos. Há que ver para além das sombras preconceituosas que a geração anterior não soube corrigir.Antes abortar a tempo, do que parir ser infeliz, morto pelas mãos da mãe, e aí sim sofrer e sentir a dor da morte, abortar pelo direito opcional da mulher...Pelo direito de decidir pelas nossas ideias próprias...Pelo que fundamentamos e achamos melhor para nós...
Há limitações é certo. Não vou acrecentar mais nada, pois escreveria demasiado e argumentar é exteriorizar fundamentos ambíguos e desaprovantes por muitos, e como não estou em directo, seria rídiculo..
Gostei do teu blog....
Beijo
De Alfinete de Peito a 5 de Fevereiro de 2007 às 16:59
Do meu ponto de vista a despenalização é o caminho a seguir. Os Senhores do Não, dos quais as mulheres devem ter ido fazer um aborto a Londres, que se calem!

Temos dito.
De Paraquedista a 5 de Fevereiro de 2007 às 19:44
É uma encrenca da porque é mal intencionada. Os pulhíticos " que temos deveriam ser mais férteis a propor coisas bem mais sérias. Por exemplo; "propor a despenalização a mulherres que devam abortar porque o técnico, "médico" assistebte pensa que a criança vai ser um ser anormal e daí será talvez menos doloroso para a família. Agora; "liberalizar o aborto à balda, é estúpido, porque dará azo a que todo o mundo por dá cá aquela palha, aborta e o estado paga o crime. Estamos mo século XXI, só ficam prenhas porque querem. As mais sensiveis desculpem a rudeza, mas com seriedade é assim mesmo, e deixem-se de choradinhos falsos. Boa noite e tudo bom para todos.
De Andesman a 5 de Fevereiro de 2007 às 21:55
Todos nós sabemos como se diz. Claro que é uma situação delicada a questão do aborto. E como se resolve a questão do aborto clandestino? Tudo bom

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds